×
Indivíduos inseridos no mercado publicitário compartilham seus sonhos, angústias e experiências profissionais, sem filtros.

Luzinha Noleto: “Aceita, abraça e vamos ser sustentáveis. Precisamos”

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

Marcio Black: “Se pensarmos em diversidade nos espaços de trabalho, é uma escolha que as empresas fazem”

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

Monique Evelle: “O racismo deu tão certo que até pra ganhar dinheiro a gente tem desculpa”

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

Roger Cipó: “a gente precisa ensinar os homens a coexistir”

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

Madama Br000na: “Tenho a sorte de trabalhar com uma coisa que eu amo e odiar ela pra sempre”

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

Isabela Del Monde: “inclusão não é chamar pra festa, é chamar pra dançar”

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

Aslan Cabral: “Antes de imaginar o que você é, você já é meme, você já é conteúdo”

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

Jackson Araujo: “Precisamos nos colocar como um corpo permeável para construir um sistema virulento de transformação”

O comunicólogo e consultor criativo fala sobre os novos caminhos da moda e da comunicação

Neon Cunha: “Que privilégio a branquitude abre mão para que as pessoas negras avancem?”

Para a publicitária e ativista independente, a estrutura de exclusão social e trabalho formal desumaniza o processo criativo das pessoas

Bruno Couto: “Quando você está dentro desse casulo do formato corporativo, você fica absolutamente cego pro que está acontecendo lá fora”

O publicitário fala sobre a necessidade de ressignificar sua carreira em prol de uma comunicação mais humana

Iran Giusti: “O mínimo que você faz é ter diversidade dentro da sua organização”

Idealizador da Casa 1 dá suas impressões sobre os possíveis caminhos para um mercado mais justo e diverso